Afinal, para onde vamos?…

Costumamos nos preocupar muito se vamos para o céu ou para o inferno. Em como será o tão aguardado julgamento… Porém, lendo um texto de Bento XVI (a encíclica Spe Salvi), me deparei com uma visão interessante: não é exatamente Deus quem nos julga, com um martelinho num tribunal, mas simplesmente nós que teremos que conseguir ficar junto da sua presença. Jesus já dizia que o “julgamento” é conseguir ficar na presença de uma luz fortíssima, onde nada se esconde, tudo fica às claras (Jo 13, 19-21). Quem tem a vista pouco acostumada com a luz, não tem jeito, não consegue; não tem óculos escuro que resolva. A misericórdia divina vai tentar aproximá-la, mas a própria alma não vai conseguir ficar ali. E é isto o inferno: deixar de estar junto de Deus, por não conseguir se deparar com a verdade de si mesmo. Se vai ter capetinha e fogo queimando a bunda, não sei. Mas, certamente, não deve ser uma boa sensação…

Já o céu seria ter tido uma vida tão “às claras” que a alma simplesmente já chega entrando em comunhão com o divino. Não estranha a luz, e já vira parte dela. Mergulha no mar do sagrado, consubstancia-se… E é o que a Igreja Católica chama de “santos”: pessoas que já estão tão próximas de Deus, já irradiam tanto a Sua presença, que se tornam um só com ele.

Sabe aquelas pessoas que a gente olha e diz: “são iluminadas”, quase perfeitas? E sabe aquelas que parecem, infelizmente, não ter jeito, têm o mal tão impregnado dentro de si que parecem que nunca irão se redimir? Pois é: é fácil imaginar que as primeiras vão pro céu e as segundas pro inferno. Mas ambos esses tipos de pessoas, as muito boas e as muito más, são minorias extremas. A maior parte de nós está em algum ponto disso tudo: nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno. Então, segundo o papa Bento, a maioria de nós provavelmente irá para o purgatório.

Não se trataria necessariamente de um local onde se passa um tempo, mas de um estágio de purificação, que talvez transcenderia a noção de tempo. Ninguém sabe ao certo como seria, mas creio que é uma coisa que tem a sua lógica. E confesso que me traz certo alívio, sabe? Ter que ir pro céu de cara, sendo que nunca se sabe quando será a nossa hora, é um peso muito grande. Prefiro me preocupar com a vida aqui, e pensar que o resto é mera consequência…

Bem, mas hoje uma alma querida deparou-se com essa luz. Luz que ela sempre buscou, enquanto viveu aqui entre nós… Para nós, que ainda vivemos na penumbra, o que fica é uma grande tristeza, um vazio enorme. Mas, para ela, certamente não há paz maior. Devia estar ansiosa por este momento!…

Que Deus nos console e te acolha, tia Aninha. Que ao se tornar um só com Ele, com a vó Maria, com o vô Nico e tantos outros, você seja mais dois olhinhos a velar por nós aí de cima!…

E que Deus, mesmo já sendo inteiro, se sinta um pouquinho mais completo ao te ter ao lado!…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s